Medo – Stefan Zweig (Resenha)

“O medo devorador minava toda a sua existência, envenenava seu corpo.” p.44

Medo é a primeira de Três Novelas Femininas do autor, selecionadas sob a supervisão de Alberto Dines, jornalista e biógrafo de Zweig para formarem um mesmo volume publicado pela editora Zahar. Embora sejam curtas, cada uma tem importância suficiente para que eu fale delas separadamente. Por isso, pretendo dedicar minhas próximas resenhas às duas outras histórias.

Clique aqui para ler agora a sinopse de Três Novelas Femininas

PhotoGrid_1466458739432

Embora não conhecesse Zweig, depois de começar a ler esse livro descobri que ele foi um célebre autor e com Medo fiz minha iniciação na literatura alemã.   

A novela gira em torno da infidelidade conjugal e do temor de sua descoberta. Desde as primeiras frases da trama o tal medo já se faz bem presente quando conhecemos a protagonista da história saindo do apartamento de seu amante apreensiva com a possibilidade de ser vista e reconhecida por alguém.

Irene Wagner, uma jovem senhora, mãe de dois filhos pequenos e casada com um importante defensor público tem tudo do bom e do melhor em sua confortável e perfeita família burguesa. Mesmo assim, no tédio e monotonia de sua vida, em busca de uma aventura a mulher resolve se envolver com um artista e é importante que fique claro que não se trata de uma paixão avassaladora e nem de algum sentimento real que ela tenha pelo músico. Tudo se resume nela e em seu desejo de algum tipo de emoção e estímulo para seus dias.

“A saciedade não irrita menos que a fome, e a segurança e a ausência de riscos em sua vida despertavam em Irene a curiosidade por uma aventura.” p17

Tudo desanda, porém, quando uma chantagista passa a atormentar sua vida. A mulher desconhecida que, de alguma forma descobre quem ela é e tudo o que tem a perder caso o marido descubra sua traição passa a persegui-la, exigir quantias cada vez mais exorbitantes em troca de seu momentâneo silêncio e assim transformar sua vida num inferno.

SelfieCity_20160620183030_org

O medo transforma-se então em uma espécie de síndrome do pânico.  A mulher não tem mais coragem nem de sair de casa e calcula que o terrível fim, quando ela não conseguirá pagar à vigarista o dinheiro exigido e como consequência seu marido ficará sabendo de tudo, é inevitável e está cada dia mais próximo.

A essa agonia junta-se também a preocupação de que seu marido já esteja desconfiando da traição e esteja esperando sua confissão. Assim, procura desesperadamente prever a reação do esposo ao descobrir sua falha e vive numa torturante dúvida entre contar-lhe ou deixar que descubra pela boca da chantagista.

“E era ali que estavam seus filhos, seu marido, seu lar, todas as coisas que só agora, ao correr o risco de perdê-las, sentia o quanto eram parte e essência de sua vida interior. Tudo aquilo em que ela apenas roçava com a barra do vestido pareceu-lhe de súbito terrivelmente necessário.”p.24

Todo o suspense psicológico da história gira em torno do estado mental da mulher que vai se desgastando cada vez mais ao longo da trama a ponto de sentirmos sua agonia e aflição. E embora eu tenha conseguido adivinhar o final bem antes do desfecho, achei a reviravolta muito interessante.

É inquestionável a habilidade do autor em conseguir imprimir com destreza as sensações de Irene no leitor. O título original, Angst, não se traduz como medo no sentido de pavor ou horror e sim como a pura angústia, algo que a narrativa consegue definitivamente evocar em quem acompanha a tensão de Irene Wagner.

SelfieCity_20160620182928_org

Outro ponto que vale ser lembrado é que, apesar de ter mais de um século, a novela publicada em 1913 possui uma linguagem extremamente fácil e sua leitura é muito leve e fluida. Se não fosse a capa eu não teria adivinhado se tratar de um clássico!

Embora não tenha sido nada de tirar o sono ou algo parecido, Medo foi uma leitura muito agradável, rápida e que conseguiu ser eficaz em me fazer sentir a angustia de sua protagonista.

Super recomendo! 😉

“O medo é mais maligno que o castigo, pois o castigo, seja qual for, é algo determinado, muito preferível ao terrivelmente indeterminado, esse infinito pavor da aflição.”p47

SelfieCity_20160620183119_org

Clique aqui para ler agora um trecho de Medo





Título: Medo

Título Original: Angst

Páginas: 58

» NO VOLUME ÚNICO:

Título: Três Novelas Femininas

Autor: Stefan Zweig

Editora: Zahar

Páginas: 173

Ano de Publicação: 2014

Gênero: Suspense Psicológico / Drama / Novela Alemã

Avaliação: 4 ESTRELAS

Para você, sempre…

Boas Leituras!

♥♥♥ xoxo S2 S2 S2 ♥♥♥

Keity Barros

Anúncios

Um comentário sobre “Medo – Stefan Zweig (Resenha)

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s