A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO [#2 Trilogia Millennium] – Stieg Larsson (Resenha)

“Não há inocentes. Apenas diferentes graus de responsabilidade”.

millenium2

A Menina Que Brincava Com Fogo, é o segundo livro da série Millennium escrita por Stieg Larsson, que tráz de volta o jornalista Mikael Blomkvist e a incrível, e problemática, hacker Lisbeth Salander.Se você não viu a resenha do primeiro livro da série, clique aqui e leia a resenha de Os Homens Que Não Amavam As Mulheres.

Nesse livro, a obstinada Lisbeth enfrenta acusações de triplo assassinato e vira a inimiga numero 1 da Suécia, sendo procurada incansavelmente pela policia e por toda a mídia, que arma um verdadeiro circo em sua caçada.

O livro só inicia mesmo após a página 188, que é quando as coisas começam a esquentar. Antes disso Larsson vai descrevendo o dia-a-dia dos personagens e o que eles andaram fazendo nos dois anos após a investigação em Hedestad que os uniu, quando Lisbeth salvou a vida de Mikael e o ajudou a desvendar o mistério sobre o sumiço de Harriet Vanger. Além disso, o autor não nos poupou de detalhes pessoais de TODAS AS PESSOAS do livro. As 188 páginas iniciais são a respeito da vida sexual super-ativa de Lisbeth, Mikael, Mimmi, Erika e quem mais ousasse aparecer nas páginas.

Nesses dois anos Lisbeth resolveu sumir do mapa e cortar relações com todos os seus amigos/conhecidos, ignorando todas as tentativas de contato do Super-Blomkvist ou qualquer outra pessoa.

No segundo volume da série, conseguimos descobrir muuuuito mais sobre quem realmente é Lisbeth Salander e conhecer várias coisas a seu respeito que nos explicam perfeitamente o motivo de ela ser como é e ver que talvez ela não seja tão doida quanto a julgam ser. Durante o livro escutamos histórias sobre sua infância, sua família, seu tempo internada em clínicas psiquiátricas e vários outros problemas que a garota teve de enfrentar durante sua jornada de vida. Quando vamos desvendando os mistérios a seu respeito, passamos a admirá-la ainda mais e torcer por essa magricela esquisita que passou por tanta coisa, mas continua de pé e inabalável como uma rocha.

imagesNa resenha de Os Homens Que Não Amavam As Mulheres, eu falei sobre a estranheza dessa garota, e sobre isso nada mudou. Porém, quanto mais conhecemos Lisbeth, mais nos apegamos a ela e por mais loucas que sejam as suas atitudes, não a julgamos. Pensamos com nossos botões “isso é mesmo a cara da Salander”.

O assunto abordado em A Menina Que Brincava Com Fogo é nada mais nada menos que o tráfico sexual de mulheres. Me diga se não é um prato cheio para a dupla dinâmica. Assim como no primeiro livro, admirei muito Stieg Larsson pela escolha do tema central. São assuntos muito sérios e pouco abordados fora dos jornais ou matérias especificas. O livro tráz algumas estatísticas e nos mostra um pouco da realidade dura das garotas que passam por isso e também nos mostra que em grande parte dos casos, quem se envolve nesse comércio são pessoas influentes e poderosas de alguma forma.

A investigação em torno de Lisbeth é agressiva e cabe a Mikael descobrir a verdade, seguindo sua intuição de que ela é inocente, e tentar inocentá-la das acusações que pesam sobre ela. Obviamente, a investigação particular do jornalista caminha a passos lentos e curtos enquanto a vida da hacker corre sérios perigos.

Apesar do começo devagar, minhas impressões do livro, como não poderia ser diferente, são as melhores. O comportamento de Lisbeth é sempre inesperado (só quem já leu pode entender o que eu falo), a fidelidade de Mikael para com sua amiga, mesmo após tanto tempo de rejeição é lindo de se ver e a trama toda que Larsson montou é para se aplaudir de pé. No final, todas as coisas se encaixam e tudo faz sentido. Ele não deixa nenhuma ponta solta, fazendo com que cada detalhe e mistério sejam respondidos de modo que ficamos completamente “por dentro” de tudo que ocorreu desde o inicio.

Desde então, passara a odiar Lisbeth Salander com uma intensidade que flamejava em sua mente feito aço e transformava a sua existência numa insana ânsia de acabar com ela. Fantasiava sobre a morte dela. Imaginava que a forçava a rastejar para implorar o seu perdão. Ele seria impiedoso. Sonhava em lhe pôr as mãos em volta do pescoço e apertar até ela sufocar. Queria arrancar-lhe os olhos das órbitas e o coração da caixa torácica. Queria eliminá-la da superfície da terra. P. 42

Os dois livros da série, viraram minha cabeça. Fiquei durante toda a leitura imaginando possibilidades, teorias, me perguntando se no final tudo daria certo para Lisbeth e também para Mikael que se complicava cada vez mais. Tentei desvendar os mistérios da melhor forma possível, mas devo admitir que Larsson caprichou bastante no final e me deixou com o coração na mão!!!

#PartiuARainhaDoCasteloDeAr

Kiss Kiss

=*

 

Título: A Menina Que Brincava Com Fogo

Título Original: Flickan Som Lekte Med Elden

Autora: Stieg Larson

Editora: Companhia das Letras

Páginas: 608

Ano de Publicação: 2015

Gênero: Romance Policial / Ficção

Avaliação: 1 ESTRELA1 ESTRELA1 ESTRELA1 ESTRELA1 ESTRELA

Anúncios

Um comentário sobre “A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO [#2 Trilogia Millennium] – Stieg Larsson (Resenha)

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s